FREELA - Hub HR Thinking

FREELA

Por Bell Gama em 09/maio/2018

SPOILER ALERT!

Se você não me conhece e por acaso se deparou com esse texto na internet, saiba que ele foi escrito em 2014, época em que eu era freela de comunicação. Ele descreve essa fase e decidi republicá-lo porque se parece com a trajetória de muitas das pessoas que tenho encontrado por aí.

Muitos me perguntam como fundei a Air – Employee Experience, qual era o meu background para empreender, quais são minhas especializações e MBAs. Prefiro acreditar que o meu melhor currículo está escrito nas linhas abaixo.

Às vezes, achamos que nada na nossa carreira faz sentido. Mas, acredite, sempre tem um final feliz 🙂

Por Bell Gama em 09/05/2014

Dedicado a todos meus amigos freelas

Quando um pai pergunta para uma filha o que ela quer ser quando crescer, ele nunca ouvirá a resposta “freela”. Ninguém quer ser o que não se sabe o que é. Mas é isso que eu sou hoje, “freela”.

REWIND

Na infância eu quis ser professora, Nadia Comaneci, jogadora de basquete e alquimista. Cresci demais para a ginástica olímpica e de menos para o basquete. Nunca encontrei o ouro e o magistério já era uma profissão para poucas heroínas.

FAST FORWARD

Quando meu boletim do 3o colegial apontou que eu era a 298a aluna dos 300 eu sabia que não me restavam muitas opções. Meus pais rezavam para que eu crescesse um dia. Eu rezava para ir embora da entediante Ribeirão Preto. Foi neste momento em que a diretora me chamou para um “teste vocacional”. Respondi que meus ídolos eram o Sílvio Santos (ainda é) e o Antônio Erminio de Moraes (WTF?). E o resultado foi: Relações Internacionais. Ela disse que eu deveria ser Diplomata (!). Como eu não sabia o que isso significava, me inscrevi em RI na PUC-SP, Relações Públicas na FAAP (porque eu queria muito estudar naquela faculdade de prédio bonito) e meu pai me obrigou a prestar vestibular de Direito na Unip. “Se nada der certo, você vai fazer direito, ser minha aluna, ter bolsa de estudo, ficar em Ribeirão e parar de fumar. Ponto.” Era a minha sentença por uma adolescência rebelde. Dois milagres nunca antes vistos aconteceram na história da humanidade: passei na FAAP em 9o lugar e não passei no vestibular da Unip. Quando se é premiada com a sorte grande, não se faz mais nada. Não prestei PUC, nem Fuvest. Fiquei na minha, peguei o Cometão, vim pra SP e entrei na FAAP.

MINI FAST FORWARD

E lá no Prédio 4 (que não é o bonitão da frente) você se descobre no meio de 50 alunos. Um dia, um professor maluco começa uma aula toda no escuro apenas com um isqueiro na cara. Pergunta o que é aquilo. Ninguém responde. Ele diz que aquilo não é aquilo e você descobre a Semiótica. E também descobre que não é ilegal fazer conta de calculadora, que é possível tirar 10 numa matemática que chama estatística. Descobre até que gosta de ler e sabe escrever. Descobre mais, que sabe trabalhar em grupo, que ama fazer televisão mas que não sabe o que fazer com tudo aquilo pra ganhar dinheiro. Mas seus pais já estão tão felizes de você fazer alguma coisa que até te dão uma boa mesada por mês.

MINI FAST FORWARD

Aí um dia você fica com a consciência pesada de usar o dinheiro deles para comprar Marlboro e cerveja e decide trabalhar. Você já está fora de casa e quer soltar a última amarra que tem com eles: grana. Então aceitei um trabalho de recepcionista de eventos. Ganhava R$ 35,00 (que muitas vezes ficava no transporte porque eu ía de táxi), usava salto e tinha que sorrir para médicos que participavam de uma convenção. Eu separava as VHS das cirurgias. Descobri que tinha médico que editava colonoscopia com a música do Titanic. Um dia eu tava tão exausta que cometi o pecado de me debruçar em cima de uma mesa. Tomei uma bronca tão grande que descobri o que é ter chefe. Aí uma amiga me disse que tinha um pessoal de uma ONG precisando de uma assistente de edição para um projeto que formava índios cinegrafistas. Eu não sabia direito o que era edição nem muito mesmo que existiam índios cinegrafistas. E assim passei um ano selecionando imagens para uma série de documentários que foi veiculada na TV Cultura sobre os 500 anos do Brasil. Fiquei maluca. Meu nome apareceu nos créditos e achei que era meu ápice na história da televisão brasileira. Foi aí que entendi o que era ser freela. Acaba o projeto, e você dá o fora e começa tudo de novo.

 

01

Minha segunda cobertura internacional: Salão do Automóvel de Bologna

 

MINI FAST FORWARD

O tio da minha amiga trabalhava em uma produtora. Precisava de uma assistente de direção (direção do que?). Levei um álbum de fotos debaixo do braço e fui. Acho até hoje que ele achou graça daquilo mas eu queria tanto um emprego que ele confiou em mim. O que eu aprendi em um ano de set foi mais do que em qualquer escola. Entendi como funcionava um vídeo, um roteiro, uma edição, uma equipe, um cronograma, verba, o machismo e a hierarquia. Aprendi que o produtor é o primeiro a chegar e o último a sair, que o Diretor de Fotografia é o que demora (sempre) mais para fazer as coisas, que para a figuração o que importa é ter cachê bom e bastante comida. Vi que era possível editar a vida num vídeo com bg de fundo. Eu tinha achado. Era aquilo!

 

Um freela que me levou para o outro lado do mundo – Tokyo Motorshow em 2010

 

MINI FAST FORWARD

Aí, quando achei que sabia fazer aquilo me chamaram pra escrever umas coisas. Eu escrevia. Depois me pediram para gravar uma locução, eu gravei. Depois eu gravei uma reportagem, comecei a fazer pauta. E pronto, disseram que eu era jornalista. Para ódio alguns dos meus colegas que fizeram 4 anos de jornalismo eu tirei o MTB em dois dias. Era jornalista. Mas também não era. Era vídeo. Era texto. O que era mesmo?

 

Em 2014 no lançamento do Jornal Meia Hora

 

“Chama aquela menina que faz direção de vídeo, escreve, grava, edita e pede para ela cuidar do evento, da comunicação interna, do novo site, para criar uma campanha, pra escrever meu discurso”…. E a cada dia me pediam mais coisas. Aí surgiu um tal de Facebook, uma nova onda chamada Social Media e falaram: Dá para ela escrever aquilo, criar uma apresentação, criar um post, rascunhar um layout, fazer um branding, inventar uma estratégia, criar um treinamento, inventar uns personagens, dirigir uma celebridade, fazer um podcast, analisar um relatório…

 

 

PAUSA

E fui fazendo.  Continuo fazendo. E vou continuar.

Aí olho minha conta no banco. Tenho uma vontade estúpida de ligar para o meu pai. Não ligo. Já sei o que ele vai dizer:  “Filha, mas você trabalha tanto, como não ganha dinheiro, o que faz mesmo?” É… pai, sou freela.

 

2 anos de fundação da AIR e a primeira viagem internacional com o time

 

Update

SUPER FAST FOWARD

Depois de 6 meses que escrevi esse texto, fui convidada para fazer mais um “freela”. Em novembro de 2014, o Dudu Ribeiro Dias e os sócios fundadores da Hub me convidaram para escrever um “pequeno texto” sobre o que seria a sua nova empresa, a Hub Talent. Exatos 4 anos depois estou aqui, sócia da Hub e fundadora da Air – Employee Experience, uma empresa que há 3 anos cuida da estratégia de atração, integração, retenção, EVP e Employer Branding de mais de 30 empresas. Hoje, tenho o prazer de ter um time fixo de 5 talentos e outros tantos freelas que começaram como eu ou que estão começando. Mas, isso é um novo capítulo desta história.

 

2018: Hub – HR Thinking + Air + Go!Up: Time completo!

mm
Bell Gama
Diretora criativa da HUB Talent, uma empresa inovadora na área de gestão de capital humano, e sócia da AIR, a primeira agência 100% especializada em Employer Branding do Brasil.