2017: Uma nova temperatura no ar - Hub HR Thinking

2017: Uma nova temperatura no ar

Por Yuri Mansur em 06/jan/2017

post_2017.01.09

Desde o lançamento da HUB em janeiro de 2014 , o cenário brasileiro se deteriorou ano após ano.

A cada ano que chegava ao fim, o comentário era o mesmo: “Ano que vem não pode ser pior”. Mas a crise política cada vez mais complicada, o PIB diminuindo, o desemprego aumentando, empresas se reestruturando e uma série de tantas outras notícias desanimadoras mostraram que o poço estava mais fundo do que o previsto.

O primeiro semestre de 2017 será um cabo de guerra no governo diante de algumas missões imprescindíveis para a sobrevivência do país, como a diminuição da Selic, a reforma da previdência e os impactos da operação Lava-Jato. Já, fora do país, há a óbvia expectativa sobre o que será o governo Trump nos Estados Unidos.

Diante da análise dos anos anteriores e das perspectivas para 2017, o termômetro que conseguimos medir aqui na HUB é o que ouvimos dos empresários em conexão com o número de jobs e posições abertas e fechadas. E não dá para negar: a temperatura subiu. Já é  possível sentir um astral e  humor um pouco melhores. Se no primeiro semestre a tendência é sempre caminhar mais devagar, acreditamos muito que para o segundo semestre a expectativa é ainda maior.

Sendo assim, a pergunta que fica é a seguinte: Depois de 3 anos de recessão, estamos preparados para voltar a crescer (ou pelo menos não diminuir)? E tão importante quanto o ritmo da economia é buscar resposta para a seguinte pergunta: O que nós aprendemos com tudo isso?

Nos últimos anos, o termo mais citado pelos gestores e empresários foi “ajuste de custo”.  E agora?  Já dá para inverter o “ timão do navio” ? Uma mudança significativa de “mindset” dos empresários foi em relação à sua marca empregadora. A AIR, nosso braço de Employer Branding recebeu no último ano as mais inusitadas demandas dos mais variados players de mercado. Ou seja, com crise ou não, o empresário precisa atrair, contratar o perfil certo e se destacar no mercado por conta de sua cultura e propósito.

Em relação aos talentos, até mesmo uma abordagem de rotina do mercado já era motivo de desconfiança. Era aquele velho fantasma do “vou trocar o certo pelo duvidoso em um momento de crise no país apenas por alguns trocados a mais?”. Fato é que os cortes em Gente & Gestão deixaram excelentes profissionais à disposição no mercado. Hoje já temos certeza que os melhores serão relocados e voltarão à ativa neste ano. Se você é um deles, é a hora de você começar a pensar onde quer trabalhar, buscar uma empresa que encaixe no seu propósito de vida, que você se identifique. Acreditamos que em 2017 as empresas também estarão atrás de você.

mm
Yuri Mansur
Founder Partner na Hub